Dr. Wolf Gruenberg

Wolf nasceu em 1948, pouco depois da Segunda Guerra Mundial, no campo de refugiados de Wolfrathausen, onde seus pais se conheceram. Quando a guerra acabou, era inviável para judeus como eles permanecer na Alemanha.

O casal Gruenberg e o filho de 3 anos, nascido apátrida, cruzaram então o Atlântico para se estabelecer na Bolívia, depois no Brasil. Wolf viveu em Corumbá, no Rio de Janeiro, em São Paulo e em Porto Alegre.

Aos 18 anos, recebeu a cidadania brasileira.

Erros que as pessoas cometem quando reciclam

A reciclagem é, há algum tempo, um costume importante para que as cidades mantenham seus recursos naturais fora do alcance da poluição causada pelo contato com o lixo. Mas reciclagem não é apenas o ato de separar os materiais como alumínio, lixo orgânico, metal, papel, plástico e vidro. Há uma variedade de fatores envolvidos para o processo seja realizado corretamente. A seguir, os erros mais comuns cometidos pelas pessoas quando fazem a reciclagem. 

• O lixo é separado de maneira errada

A etapa mais importante da reciclagem é a separação do lixo, um processo que facilita o trabalho que quem irá recolhê-lo. Separe os materiais (o lixo comum, o metal, o papel, o plástico e o vidro). O ideal é que passe por ser seu bairro uma coleta seletiva, que dará um destino correto para o descarte dos materiais.

• Apenas os resíduos orgânicos são separados

Reiterando o que foi dito anteriormente, a separação somente da comida com o restante do lixo não é o suficiente. Portanto, restos de comida em uma sacola, alumínio, papel, pilhas, plástico e outros materiais em outras. E há certos itens que não podem ser reciclados, pois têm substâncias tóxicas, por exemplo.

• Os aparelhos eletrônicos são descartados no lixo comum

Celulares são os melhores exemplos, devido à rotatividade destes aparelhos. O novo modelo surge e o antigo é descartado. Onde? Na lixeira. Quando o certo é reciclar: há organizações criadas com este propósito. O mesmo vale para os computadores: há, inclusive, fabricantes que recebem o aparelho de volta.

• Os diferentes tipos de vidro não são separados

Copos e jarras transparentes não são similares a porcelanas e espelhos. Logo, a dica é separá-los. Quando, por exemplo, se quebram ou você decide colocar no lixo, separe o que é vidro translúcido do que não é. Dessa forma, facilitará o trabalho daqueles que dependem do processo de reciclagem para viver.

• Objetos cortantes ficam desprotegidos

Após você colocar as sacolas na lixeira, outras pessoas acabarão tocando em seu lixo. Devido a isso, recomenda-se que o lixo seja protegido com caixas de papelão ou enrolado com folhas de jornal. Isso evitará que objetos cortantes, como facas, lâminas e pedaços de vidro possam machucar uma pessoa.

• Separação de papel picado para reciclagem

O papel picado é mais difícil de reciclar do que o papel inteiro. Isso porque as máquinas que fazem o trabalho do reaproveitamento do papel usado não têm a capacidade de capturar tamanhos tão pequenos. Portanto, não é preciso picar o papel. Basta separar o papel de outros produtos e fazer sua reciclagem.

• Todo lixo é reciclável

Errado. Nem tudo é reciclável. Até mesmo o papel tem suas exceções. Quando o papel está separado em uma sacola, muitas vezes há diferentes tipos dele – alguns podem ser reaproveitados, enquanto outros não. Confira exemplos.

– Papel Carbono, celofane, embalagens, engorduradas ou siliconadas;

-  Fotografias, CDs e DVDs, exames de raio-X;

– Latas de tinta, latas de aerossol, latas de pesticida (e similares);

– Sacos de cimento e outros materiais de construção, cabos de panela;

– Ampolas de medicamentos, vidros de carros, cristais, espelhos, lâmpadas.